A necessidade de mudanças frente à obsolescência – Parte II

Há um equivoco em se julgar que uma pessoa de grande competência técnica possua também grande capacidade administrativa ou gerencial. Pelo menos essa não é a tendência dominante, mas apenas fortuita ou ocasional. Utilizando-se dessa falsa premissa, as organizações comumente alçam especialistas de sucesso em funções técnicas a cargos de decisão, ganhando maus administradores e

A necessidade de mudanças frente à obsolescência – Parte I

Obsolescência é a incapacidade de o executivo manter, face às mudanças da ambiência organizacional, um comportamento adaptativo e inovador, criativo. É o fracasso de alguém que já foi capaz de obter resultados que normalmente seriam dele esperados. A obsolescência não é um problema cronológico. Pode ocorrer a qualquer momento e com qualquer um. As pessoas

A tirania da urgência

A lógica das organizações modernas se sustenta na fomentação do stress, na manutenção permanente das atividades, “sempre se está muito pressa”, na definição diuturna do emergencial, uma após a outra, num ciclo de urgências que não se encerra. Esse moto contínuo de urgências é que aparentam assegurar uma vida plena e carreira bem sucedida, provas

Aprender a aprender

A escola está deixando de ser a fonte do saber e do conhecimento. Restringe a sua ação pedagógica a fazer o aluno aprender a aprender as competências necessitadas pelo mercado que lhe garanta hoje, e pode pretensamente lhe garantir amanhã, o tão desejado emprego. Ah, sim! Agora se fala na empregabilidade e no empreendedorismo, ou

Dr. Jekyll e Mr. Hyde no Mundo das Organizações

O clássico da literatura mundial “O Médico e o Monstro”, de R. L. Stevenson, ilustra, com rara pertinência, a fragmentação atitudinal das grandes organizações corporativas na cena mundial. A ambivalência esquizofrênica do Dr. Jekyll e de Mr. Hyde se repete analogicamente com as macrocorporações na sociedade de mercado, ora no exercício de papéis de líderes