Análise do resultado de algumas questões da Pesquisa Nacional 2011

Print Friendly, PDF & Email

Perfil do Administrador

O profissional registrado

 

A pesquisa mostra que o CRA-SP (Estado de São Paulo) é o conselho que apresenta o maior número de registrados (32,38%) e, a região Sudeste representa 55,03% dos registrados em relação ao país. Os dados revelam, ainda, que os Administradores não registrados representam apenas 2,40% dos Administradores do país. Entretanto, a concentração dos Administradores registrados na região Sudeste, demonstra que as regiões Sul, Centro-oeste, Norte e Nordeste precisam evoluir neste sentido.

A região Sudeste é a mais atrativa no que diz respeito a oportunidades de emprego para os Administradores, já que possui a melhor situação sócio-econômica do país, além das duas cidades mais populosas do país (São Paulo e Rio de Janeiro), o que atrai as empresas de todos portes para ramos de atividade diversos.

O percentual de registrados em cada estado não está relacionado apenas a uma proporcionalidade relacionada ao número de habitantes de cada estado ou de suas principais cidades, mas também, a oportunidades de emprego, qualificação profissional, qualidade de vida e, principalmente, a informação, a qual proporciona o melhor aproveitamento dos direitos e benefícios de um profissional registrado, além do esclarecimento da situação atual do profissional de Administração, que está em constante busca pela valorização e reconhecimento das organizações. Partindo das informações e do conhecimento, o Administrador e/ou o Empresário podem fazer valer esse reconhecimento (exigindo do seu funcionário a formação, aptidão e o devido registro profissional para ocupar determinado cargo, por exemplo) ou reivindicar o fortalecimento profissional.

A oportunidade de emprego surge a partir da necessidade de um Administrador em qualquer organização, seja Pública ou Privada. Este profissional pode atuar nas áreas operacional (supervisor), tática (gerente) e institucional (diretor ou presidente).

A qualificação profissional é adquirida em bons e conceituados cursos de graduação, extensão, especialização, mestrado, doutorado, pós-doutorado, idiomas, etc.; além dos programas de estágios e trainees, que devem estar focados no desenvolvimento e crescimento do indivíduo na profissão.

A qualidade de vida refere-se à saúde, alimentação, vestuário, saneamento básico, sustentabilidade, educação, socialização, segurança, lazer, renda, custo de vida, acessibilidade, etc.; além da qualidade de vida no trabalho, que engloba, entre outras coisas, ambiente profissional e cordial, propiciando boas relações interpessoais e melhor coordenação e integração organizacional; hierarquia e responsabilidades bem definidas; lideranças participativas; descanso; ginástica laboral; medicina do trabalho; temperatura e iluminação adequadas; segurança; salário e benefícios justos; treinamento específico; educação corporativa; plano de carreira; recursos físicos, humanos e financeiros necessários para suprir a demanda, etc.

A informação é essencial para os profissionais contemporâneos, pois possibilita explorar ideias e situações ainda não exploradas, o que pode representar um diferencial competitivo. A informação contribui para a qualidade de vida das pessoas, esclarecendo situações culturais, profissionais e pessoais. Atualmente, a tecnologia da informação está em constante desenvolvimento, o que proporciona maior rapidez e alcance na comunicação e melhoria na gestão do conhecimento.

Conclui-se que os fatores analisados são primordiais para o registro e a conseqüente regularização do profissional de Administração, sendo que cada Conselho Regional de Administração assume um papel preponderante na orientação de seu afiliado; na fiscalização do exercício da profissão; na indicação de cursos, palestras e eventos que contribuam para o desenvolvimento da ciência da Administração; na divulgação de vagas de emprego e concurso público, etc. E, para obter uma resposta positiva dos graduandos em Administração, os Conselhos devem ter uma atuação incisiva dentro das Instituições de ensino superior, para que o estudante tenha uma visão real do que representa a profissão e o seu benefício para a sociedade.

A formação do profissional de Administração

A influência na hora da escolha do curso de Administração

A pesquisa demonstra que a maioria escolhe o curso de Administração, devido à formação abrangente e generalista (25,41%), que proporciona a existência de um amplo mercado de trabalho (21,29%). Atualmente, dentro das áreas de atuação na Administração, além da experiência, exigem-se cursos de especialização, o que proporciona crescimento e valorização profissional.

Muitas pessoas dedicam-se ao curso de Administração, motivadas pelos incentivos dos governos à criação de micros e pequenas empresas, além do empreendedorismo individual, aliados ao sonho de ter e gerir o próprio negócio.

Independente do motivo que leve uma pessoa a escolher o curso de Administração, o indivíduo deve identificar-se com a missão do administrador, que vai além de gerir determinado departamento isoladamente, já que as empresas representam um sistema aberto e sofrem com a mutabilidade ambiental. Por isso, além da visão analítica da área de atuação, o administrador deve ter uma visão sistêmica e holística, observando o impacto de suas atividades na ação empresarial e melhorando constantemente as relações cliente/fornecedor dos processos-chave, atendendo, assim, as necessidades e expectativas dos clientes internos e externos. Isso gera o crescimento profissional paralelamente com o crescimento organizacional, propiciando a criação de novas vagas de emprego, observando, sempre, o desenvolvimento sustentável.

A área de atuação, o salário, a quantidade de vagas no mercado de trabalho, só terão importância e significado para o Administrador se ele puder gerir os recursos e competências de maneira eficiente e eficaz, cumprindo, assim, a sua função social.

Percepção dos estudantes ao final do curso de graduação em Administração

O resultado da pesquisa demonstra a necessidade de estudos e pesquisas para a renovação do currículo do curso de graduação em Administração e, dos requisitos necessários a sua aplicação. O desafio é aumentar o nível de satisfação dos graduandos e graduados. Para isso, é necessária a participação de Empresários, Administradores, Tecnólogos, Professores e estudantes.

A pesquisa e o desenvolvimento tecnológico devem colaborar para a aplicação dos conceitos e funções da Administração em sala de aula, tornando as aulas cada vez mais práticas e direcionadas ao mercado de trabalho. A oratória deve ser estimulada e desenvolvida, e o estudo dos principais idiomas deve ser incentivado e facilitado através de parcerias entre Instituições de Ensino Superior e cursos de idiomas.

A relação da estabilidade econômica do Brasil com o número de formados no curso de Administração nos últimos anos

A maioria dos entrevistados (sem considerar a idade) concluiu o curso recentemente (entre 2006 e 2011 – 42,40%). Isso se deve à crescente oferta de mão-de-obra para a área da Administração, considerando que o país está em desenvolvimento e com a economia estável, o que proporciona o aumento da produção interna e a instalação de empresas multinacionais no país. Isso contribui decisivamente para incentivar o empreendedorismo e a abertura de vagas de emprego na área administrativa.

A distribuição dos estudantes de Administração formados em Instituições de Ensino Superior Públicas e Privadas

O resultado da pesquisa revela que a grande maioria (84,18%) dos diplomas expedidos é advinda de Instituições Privadas. O resultado é normal, tendo em vista, o número de Instituições Privadas em relação ao número de Instituições Públicas.

O processo seletivo das Instituições Públicas é muito mais concorrido e difícil, pois o número de vagas é escasso em relação à demanda de estudantes em busca de uma bolsa integral de estudos em uma Instituição de Ensino Superior Pública de capacidade reconhecida.

Essa competição entre estudantes torna a seleção qualificada, o que proporciona, de um modo geral, a entrada de graduandos mais bem preparados para assimilar o conteúdo programático e por em prática o currículo do curso. Entretanto, a dedicação do aluno deve prosseguir na Instituição de Ensino e na atividade profissional, pois, independente de que Instituição (Pública ou Privada) expediu o diploma, a escolha de um profissional pelas organizações não passa apenas pela análise de currículos, mas também, por entrevistas, provas escritas e práticas, dinâmicas de grupo e períodos de estágio e experiência.

Em suma, os alunos devem pesquisar a qualificação das Instituições a que são postulantes e, as Instituições devem reavaliar sistematicamente as suas provas, com o intuito de admitir alunos preparados para iniciar o ensino superior. Como conseqüência, a Instituição irá fornecer estagiários e profissionais mais bem preparados para o mercado competitivo, além de melhorar as suas notas nos exames, aumentando, assim, a sua qualificação perante a sociedade.

A natureza da Instituição de Ensino Superior

A grande maioria dos estudantes (40,86%) concluiu o curso em Universidades Privadas, o que demonstra o grande quantitativo de Instituições dessa natureza. Por outro lado, a tendência é que Instituições Públicas e Instituições no exterior apresentem um aumento do número de alunos que concluem o curso de Administração, devido ao aumento do investimento governamental na área da educação em todos os níveis; o aumento do poder aquisitivo da população; o desenvolvimento da tecnologia da informação; e a disseminação dos principais idiomas mundiais.

Tipo de curso

Apesar do número crescente de cursos de ensino à distância, a grande maioria (97,13%) dos estudantes de Administração formaram-se através de cursos presenciais.

A metodologia do EAD atende ao cotidiano dos profissionais contemporâneos, devido a sua flexibilidade, interatividade e suas diversas ferramentas que permitem o aprendizado qualificado. O número de pessoas com o acesso à Internet tem aumentado significativamente, o que contribui para o aumento do ensino à distância nos últimos anos. Entretanto, a cultura brasileira ainda valoriza muito e mostra preferência pelo ensino presencial em relação ao ensino à distância, apesar da escassez de tempo das pessoas.

Fonte geradora dos dados:

Pesquisa Nacional do Administrador

2011 – CFA/ FIA – www.cfa.org.br





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.